top of page
  • Foto do escritorMar de Afetos

TE "CONTO" SOBRE: VIDA E MORTE

Não configura nenhuma novidade meu amor pelos contos de fadas. Desde pequena, me vejo cercada por esse estilo literário e, hoje em dia, é com muito amor que aplico em meus trabalhos.


Tendo em vista esse amor, decidi criar uma lista de contos para compartilhar com vocês! Neste post, comentarei três das minhas histórias favoritas! Para mim, esses relatos remetem muito à criatividade e as polaridades vida e morte.


1. As flores da pequena Ida.


É um conto relativamente longo – e admito que preciso de um preparo a mais para contar – porém, é linda a trajetória e a explicação dada pelo estudante à Ida sobre “o baile das flores”, que é o local para onde vão suas amigas plantas à noite e, por isso, no dia seguinte amanhecem murchinhas.


Particularmente, tenho muita curiosidade para saber como é esse baile! Não vou mentir que já fiquei noites em claro esperando ver alguma movimentação nas plantas daqui de casa, igual quando era criança e tentava ver Papai Noel! O bacana dos contos está em acreditar na sua magia, seja de forma literal ou como aquela chispa que te permite sonhar.


As flores da pequena Ida foi registrado por Andersen e você pode lê-lo aqui.


2. A pequena vendedora de fósforo.


Esse foi um conto que aprendi a gostar. É sobre uma menina que trabalhava na rua vendendo de fósforos, completamente ignorada pelos transeuntes na véspera de natal, no inverno Russo.


Quando pequena, me lembro de ser traumatizada com este conto, pois uma vez vi um vídeo que me fez chorar por horas! É um conto que proporciona beleza na tristeza. É uma mistura de aconchego e desespero. Quando Andersen escreveu o conto, assim como suas demais obras, ilustrava e criticava à pobreza da sociedade russa. É impossível não se emocionar com este conto, sentir revolta, tristeza, alívio e aconchego. Esse não é um conto para todas as horas, porém, quando apresentado no momento certo, liberta várias emoções.


Você pode ler o conto aqui e, caso tenha curiosidade no curta que me fez chorar rios, clique aqui.


3. A chorona.


Esse conto já apareceu tanto aqui no blog que poderia pedir música pro fantástico! Para saber mais sobre ele, pode ler nos nossos posts "paralelos mitológicos: Mávkas e La Llorona".


O conto mexicano, com certeza, é um dos que mais gosto de contar. Para os fãs do terror, é uma ótima pedida. Particularmente, essa história me proporciona muita indignação e até raiva, ao mesmo tempo em que há um mistério sedutor na hora de escutar e da contação. É um conto muito fácil de conseguir fazer comparativas com outras narrativas e até com nossa vida.


Não existe um autor referência para este conto! E você pode ler em livros ou então, conhecer variantes por meios de obras cinematográficas.



Seja por meio de um baile, por meio dos fósforos ou por meio da água, todos os contos, respectivamente, abordam a temática da vida e da morte, da criatividade e da ausência dela. São narrativas belíssimas que recomendo a leitura, pelo menos, uma vez na vida.



4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page